Início America Trekking para o Pico das Agulhas Negras: fé, força e renovação

Trekking para o Pico das Agulhas Negras: fé, força e renovação

Após a minha intensa experiência em subir o pico das Prateleiras no Parque nacional do Itatiaia, fiquei como uma sensação inacabada de ter que voltar nesse lindo parque e subir no seu pico mais conhecido: o Agulhas Negras.

O Pico das Agulhas Negras tem esse nome pois há em seus cumes falésias de rochas escuras e acidentadas, caracterizando de longe como um pico afiado e perigoso. Esse pico é o quinto mais alto do Brasil com 2.790m de altura.

Perigoso? Um pouco sim, por assim dizer, pois há partes que há poucas áreas de bases para apoiar os pés e mãos e que é extremamente necessário a melhor das atenções para não escorregar e cair de lá.

Trabalhoso para subir? Sim, suas passagens estreitas se tornam difíceis para subir e são grandes desafios na descida. Isso tudo acrescido de passagens envolvendo rapel e muita resistência.

Não é fácil se deslocar com destreza por lá (sem mencionar guias e montanhistas experientes, claro). Mas vale a pena? Ah…isso vale!

Toda jornada em equipe se faz necessário um time unido, otimista e que consiga trazer o espírito de parceria e amizade.

Isso nós conseguimos com as pessoas que fizeram essa mesma trilha e escalada conosco. Meu parceiro de montanhas Rodolfo “Medina” e o nosso mais novo amigo, Paulista, da agencia “Trail Friends Adventure Sport”. Gente boa e sempre solicito, nos acompanhou nos momentos de desafio, com instruções e ajudando a conquistar de maneira vitoriosa cada passo adiante.

Começamos com um ótimo café da manhã comunitário, cada um se apresentou, rimos e nos preparamos mentalmente para um dia que seria intenso, por volta de 12 horas de caminhadas, subidas, descidas e muita resistência.

Passamos por trilhas estreitas e cheias de gelo no caminho. Conversamos e vimos lá de longe o quão imponente e assustador era a “montanha”.

Não tinha uma visão clara da distância que iríamos percorrer. Mas sabíamos de uma coisa: voltaríamos para casa esgotados depois desse longo dia.

Após mais ou menos 6 horas de subida, utilizando bastante as mãos com luvas para a famosa “escalaminhada”, chegamos a um dos pontos mais desafiadores que veria nesse dia, a subida de uma parte, de rapel, com suporte a uma corda entre os abismos.

Não há volta, não há o que pensar direito e nem se pode permitir a ideia da desistência, pois naquele momento só há um objetivo: subir e conquistar o cume. Para depois poder descansar, almoçar os sanduíches que levamos, tomar muita água e fazer o caminho inverso.

Nessa hora, você precisa confiar em si mesmo, na sua força e resistência, para puxar o seu corpo a cada passo, concluir e seguir.

Essa é a beleza de um autêntico desafio, essa é a beleza de se superar, de deixar a adrenalina entrar e fazer o seu trabalho. Isso te faz sentir vivo…

O cume é lindo, reconfortante. Você tem uma visão de 360 graus, vê cidades pequeninas bem distantes, vê o caminho onde começamos e nos perguntamos, como é possível andarmos tanto em um só dia e fazer tudo de novo para chegar em casa?

A volta como citei acima, foi bem mais desafiadora, pois tudo que fizemos na ida, tivemos que retornar à fazer para voltar…

Rapel, descidas vertiginosas, resistência dobrada já pelo desgaste que foi feito ao longo do dia. Mas com um bom time e trabalho coletivo, sempre conseguiremos nos superar.

Os guias que estavam conosco eram muito experientes e simpáticos. Nos momentos de tensão, pedíamos para nos ajudar e nos instruir em como passar os obstáculos, e todas vezes fomos muito bem atendidos.

Voltamos para casa cansados, mas com o espírito renovado!

Paramos para comer uma bela comida quente em um povoado perto de lá, rimos por conta de novas memórias, e fiz uma promessa só para mim, uma promessa que seguirei com afinco:

Sempre serei grato pelas mudanças que passei, pelas experiências que tive, pela oportunidade de voltar para casa com saúde e responsabilidade. Com a certeza  renovarei minha mente e meu espírito em lugares únicos como esse.


Salve esse post no Pinterest:

Leonardo Rios
Fotógrafo, Gamer, Esportista, Marido, Administrador. Adora esportes radicais como trekking, caiaque, rapel, rafting e escaladas. Gosta de estar em contato com a natureza, mas não abre mão da tecnologia.

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Siga nas Redes Sociais

7,434FãsCurtir
10,043SeguidoresSeguir
22,970SeguidoresSeguir
940SeguidoresSeguir